Imagem de Topo
Relações Internacionais – Desporto e Juventude
Presidente do IDP, I.P. recebeu delegação Russa
19-10-2011

O Presidente e o Vice-Presidente do Instituto do Desporto de Portugal I.P. (IDP, I.P.), respectivamente Augusto Baganha e Mário Teixeira, receberam no dia 18 de Outubro, a visita de uma comitiva da Federação Russa, constituída pelo Vice-Director do Departamento da Cooperação Internacional do Ministério do Desporto e da Política de Juventude, Dmitriy.M.Vitiútnev e por um Membro da Direcção da União desportiva da Juventude da Rússia, Roman Strykov.

A reunião teve por objectivo, retratar o estado actual da cooperação entre Portugal e a Federação Russa e simultaneamente promover medidas de reforço na cooperação entre os dois Estados no domínio do desporto.

De igual modo, e dado que a Federação Russa foi eleita através da Federação Internacional de Futebol (FIFA), como organizadora do Campeonato Mundial de 2018, quer Augusto Baganha quer Mário Teixeira, aproveitaram a ocasião para partilhar com a delegação russa, a experiência da organização de grandes eventos desportivos internacionais, destacando ambos a organização do Campeonato Europeu de Futebol em 2004 – o Euro 2004.

Para inicio de conversa, Augusto Baganha, considerou ser importante contextualizar a delegação visitante sobre a fase de reestruturação (fusão) que se encontra a decorrer entre o IDP, I.P. e o IPJ, I.P., fusão essa que resultará na criação do Instituto Português do Desporto e Juventude, I.P. (IPDJ, I.P.).

Destacou que “O Euro 2004 foi o maior acontecimento desportivo realizado em Portugal, foi para além de um campeonato desportivo, um acontecimento com grande impacto social e económico, envolvendo grande parte da população e de entidades públicas e privadas. Foi um momento exaltante e de grande mobilização”.

Prosseguiu referindo que “foram criadas várias estruturas complementares para fazer face à organização deste evento, nomeadamente a “Portugal 2004” com competências no acompanhamento e fiscalização das obras dos estádios e de outras estruturas de apoio. A acção desta sociedade foi determinante para o êxito do evento, para que tudo estivesse pronto a tempo e horas, mas [ainda relativamente à questão da grande mobilização] houve no entanto um outro contributo que se deverá destacar no âmbito do sucesso do evento: a adesão de mais de 4000 voluntários que foram preparados a nível do IPJ.”

Finalizando a sua intervenção, Augusto Baganha desejou à delegação russa um bom desempenho na organização do Campeonato do Mundo de Futebol de 2018.

Por sua vez, o Vice-Presidente do IDP, I.P., Mário Teixeira salientou “a reconhecida excelência do Euro 2004 que, sete anos depois, continua a ser referenciado pela UEFA como o melhor e mais bem organizado campeonato de futebol. E foi precisamente nessa modalidade que Portugal iniciou o seu percurso organizativo, em 1991, com o Campeonato do Mundo de Futebol Sub 20, um duplo sucesso, uma vez que o título mundial foi conquistado pela Selecção das Quinas”.

Mas, o futebol não é um exemplo único, seguindo-se “após a Expo 98, o Mundial de Juniores de Basquetebol (1999), o Mundial de Atletismo em Pista Coberta (2001), o Mundial de Andebol e a Gymnaestrada (ambos em 2003), bem como o Mundial de Vela (2007), entre muitos outros”.

Mário Teixeira enfatizou “a experiência acumulada de Portugal na organização de grandes eventos desportivos poderia beneficiar a Federação da Rússia na realização do Campeonato do Mundo FIFA de 2018, valorizando o papel das entidades públicas, e principalmente abrindo oportunidades às empresas portuguesas na preparação de um evento desta dimensão, enquanto instrumento de promoção de políticas directamente associadas à Diplomacia Económica”.

Destacou ainda a importância da imagem externa do nosso país, afirmando que “Portugal tem um prestígio inequívoco nas suas relações de âmbito bilateral e multilateral nos quatro cantos do mundo, devido à sua ligação histórica e à centralidade única em termos geopolíticos, permitindo ter laços preferenciais com Ásia, África – particularmente os países lusófonos – Américas – em especial o espaço ibero-americano – e a zona do Magrebe”.

Por fim, Mário Teixeira contextualizou a nova estratégia das relações internacionais do IDP, IP no seio da Europa, definindo como “eixos de acção prioritários a União Europeia e o Conselho da Europa, onde Portugal participa de forma activa e permanente na formulação das futuras políticas relacionadas com o Desporto europeu”.

Por seu turno, a delegação russa, mostrou-se bastante agradada com as palavras de ambos os representantes do IDP, I.P., e no contexto dos objectivos traçados para a reunião – incentivo às medidas de reforço na cooperação entre os dois Estados - aceitou a sugestão portuguesa no sentido de promover a partir de agora, uma maior celeridade de todos os procedimentos que se venham a desenvolver entre o Ministério do Desporto e da Política de Juventude russo e o novo Instituto Português do Desporto e Juventude, I.P.

O Presidente e o Vice-Presidente do IDP, I.P. com a delegação russa A intervenção do Presidente do IDP, I.P.  

O decorrer da reunião Na imagem o Presidente do IDP, I.P., Augusto Baganha e o Vice-Presidente Mário Teixeira reunidos com a comitiva russa