Imagem de Topo

Hormona de Crescimento Humana | Esteróides Anabolizantes | Dopagem Sanguínea
 

O meu médico tem o dever de perguntar se sou atleta sempre que me prescreve um medicamento contendo uma substância proibida?

Não. O praticante desportivo é que tem a obrigação de informar o médico em relação à sua condição de atleta.

Como tenho de agir se tiver de utilizar, por motivos de saúde, uma substância proibida?

Terá que solicitar em colaboração com o seu médico uma autorização de utilização terapêutica ao CNAD, utilizando os modelos e os procedimentos disponíveis neste sítio internet. Para informações suplementares, poderá ligar para a Linha Azul de Informação Antidopagem – 808 229 229.
 

HORMONA DE CRESCIMENTO HUMANA

O que é a hGH?

A hormona do crescimento humana (hGH) é uma hormona que é sintetizada e secretada por células da hipófise, localizada na base do cérebro.

A hGH actua em muitos aspectos do metabolismo celular e é também necessária para o crescimento do esqueleto em humanos.

O principal papel da hGH no crescimento corporal passa pela estimulação do fígado e de outros tecidos para a secreção de factores de crescimento insulina-like (IGF-1). O IGF-1 estimula a produção de células cartilagíneas, promovendo o crescimento ósseo e desempenha também um papel fundamental no crescimento de músculos e órgãos.

A hGH é proibida, quer em competição, quer fora de competição, segundo a Lista de Substâncias e Métodos Proibidos da Agência Mundial Antidopagem (AMA), em vigor no nosso país.


Quais são os efeitos secundários do abuso de hGH?

Os efeitos secundários mais comuns no abuso de hGH são: diabetes em indivíduos propensos; agravamento das doenças cardiovasculares; dores musculares, das articulações e dos ossos; hipertensão e deficiências cardíacas; crescimento anormal dos órgãos; osteoartrite acelerada.

Em indivíduos acromegálicos (caracterizados pela produção patológica de hGH em excesso), muitos dos sintomas acima mencionados são observados e a esperança de vida é reconhecidamente reduzida.

Devido ao papel desempenhado pela hGH na estimulação da secreção de IGF-1, o uso excessivo de hGH pode levar a disfunções metabólicas, incluindo intolerância à glucose e outros efeitos secundários associados a níveis excessivos de IGF-1.


Existe um teste para a detecção de hGH?

O teste para a detecção de hGH foi pela primeira vez utilizado nos Jogos Olímpicos de Verão de 2004, em Atenas, Grécia. O teste para a detecção de abuso de hGH é um teste sanguíneo.

O teste para a detecção de hGH é fiável?

O teste actualmente em uso é fiável.

Um novo teste, que se encontra na fase final de desenvolvimento, será combinado com o teste actualmente em uso para aperfeiçoar a janela de detecção do abuso de hGH.

Os conceitos e o desenvolvimento de ambos os testes de detecção de hGH foram sistematicamente revistos por peritos independentes em matérias como a hGH, endocrinologia, imunologia, química analítica, etc. Para além disso, esses testes são o resultado de quase 6 milhões de dólares em investigação, ao longo de mais de 10 anos.

A investigação foi iniciada pelo Comité Olímpico Internacional (COI) e pela União Europeia, e depois foram prosseguidos pela AMA, aquando da sua criação, tendo a investigação científica como uma das suas prioridades.


Porque é que tem havido uma implementação limitada do teste de detecção de hGH?

O teste actualmente em uso é realizado utilizando uma amostra de sangue e foi implementado numa escala limitada através de um conjunto de laboratórios antidopagem acreditados pela AMA, a nível mundial.

Os anticorpos usados para os testes actualmente utilizados são produzidos em ambiente de investigação. A produção de anticorpos em ambiente de investigação é sempre realizada em quantidades reduzidas.

A produção industrial dos anticorpos é o próximo passo para a implementação do teste de detecção de hGH a nível mundial.


Quando estará concluída a produção industrial?

Já foi produzido o protótipo de um kit passível de comercialização. A AMA avança agora para a fase final, que implica o trabalho em conjunto com uma empresa privada, tendo em vista a sua produção e distribuição em larga escala.

Porque é que não há ainda registo de casos positivos de detecção de hGH?

O teste foi introduzido nos Jogos Olímpicos de Atenas 2004 e noutros eventos desportivos de relevo. No entanto, como o hGH é geralmente usado pelos atletas fora de competição, por causa do seu efeito anabólico, o teste é mais eficiente quando implementado em controlos sem aviso prévio e fora de competição.

A implementação generalizada do teste, através da sua produção em larga escala, irá certamente alterar esta estatística.


É provável o desenvolvimento de um teste de detecção de hHG através da urina?

De acordo com a esmagadora maioria dos peritos internacionais, a matriz sanguínea é a mais fiável para a detecção da hHG.

A hGH na urina é detectada em quantidades ínfimas (menos de 1% da quantidade detectável no sangue).

De acordo com os peritos internacionais na matéria, o desenvolvimento de um teste de detecção de hGH através da urina iria requerer muitos recursos e tempo, e as hipóteses de sucesso são remotas.

ESTERÓIDES ANABOLIZANTES

Porque são utilizados pelos atletas?

Os esteróides anabolizantes são tomados (em grandes doses) por lançadores, halterofilistas e eventualmente por atletas de todo o tipo de desportos que envolvem força explosiva. São utilizados igualmente por pessoas que querem melhorar a sua aparência através da obtenção de um corpo mais musculado. Parecem ser responsáveis pelo aumento da massa muscular e da força, quando o indivíduo em questão faz um treino e uma nutrição adequados. Estas substâncias estimulam igualmente a agressividade.

Efeitos secundários gerais:

• Queda do cabelo
• Acne (borbulhas na pele)
• Lesões ao nível do sistema reprodutor, levando à infertilidade
• Diminuição do crescimento corporal quando utilizados por jovens em fase de crescimento (os jovens não atingem a estatura que lhes estava destinada geneticamente, por exemplo)
• Roturas tendinosas
• Hipertensão arterial
• Doenças cardiovasculares
• Doenças hepáticas (fígado)
• Aparecimento de tumores malignos (cancros) no fígado e próstata (entre outros)
• Hepatites B e C e Sida por contaminação a partir da partilha de agulhas utilizadas na administração por via injectável
• Aumento da agressividade
• Dependência psíquica

DOPAGEM SANGUÍNEA

O que é a dopagem sanguínea?

Dopagem sanguínea é o uso impróprio de certos métodos e/ou substâncias tendentes a aumentar a massa de glóbulos vermelhos no sangue, o que permite ao corpo fornecer mais oxigénio aos músculos e, consequentemente, aumentar o rendimento.

Quais são as formas mais comuns de dopagem sanguínea?

As formas mais comuns de dopagem sanguínea são 3: eritropoeitina (EPO), transportadores artificiais de oxigénio, e a transfusão de sangue.

Todas são proibidas segundo a Lista de Substâncias e Métodos Proibidos da Agência Mundial Antidopagem (AMA).


O que é a EPO?

A EPO é uma hormona peptídica produzida naturalmente pelo corpo humano. A EPO é libertada pelos rins e actua ao nível da medula óssea, estimulando a produção de glóbulos vermelhos.

Um aumento do número de glóbulos vermelhos traduz-se no aumento da quantidade de oxigénio que o sangue pode fornecer aos músculos. Também pode aumentar a capacidade corporal para neutralizar ácido láctico.


Quais são os efeitos do uso impróprio de EPO?

Embora o uso adequado de EPO traga enormes benefícios terapêuticos no tratamento da anemia associada a doenças oncológicas ou dos rins, o seu uso impróprio pode traduzir-se em enormes riscos para os atletas que usam esta substância apenas para ganhar uma vantagem em termos competitivos. É bem sabido que a EPO, ao aumentar a viscosidade do sangue, se traduz num risco acrescido de se contraírem doenças potencialmente mortais, tais como doenças cardíacas, enfarte do miocárdio, e embolia cerebral ou pulmonar. O uso impróprio de EPO recombinante (EPO sintética) pode também causar doenças auto-imunes com sérias consequências para a saúde.

Quando foi implementada a detecção de EPO?

O teste para a detecção de EPO foi introduzido nos Jogos Olímpicos de Verão de 2000, em Sydney, na Austrália. O teste, validado pelo Comité Olímpico Internacional (COI), era baseado numa análise ao sangue e à urina. A análise ao sangue era realizada em primeiro lugar e a análise à urina era realizada para confirmar a possível utilização de EPO.

Em Junho de 2003, o Comité Executivo da AMA aceitou os resultados de um relatório independente, que afirmava que a análise à urina era, por si só, suficiente para confirmar a presença de EPO recombinante. Este relatório, cuja necessidade foi realçada por alguns parceiros da AMA e encomendado pela própria Agência para validar a eficácia da utilização conjunta de análises ao sangue e à urina na detecção de EPO recombinante, concluiu que a análise à urina é o único método validado cientificamente para a detecção directa de EPO recombinante. Este relatório recomendou também que as análises à urina devam ser usadas em conjunto com as análises ao sangue, por um conjunto variado de razões; nomeadamente, uma triagem inicial através de análises ao sangue permite seleccionar as amostras de urina a submeter à detecção de EPO recombinante, rendibilizando assim os custos. Algumas federações internacionais ainda utilizam a análise ao sangue em conjunto com a análise à urina na detecção de EPO.


O que são transportadores artificiais de oxigénio?

Os transportadores artificiais de oxigénio, como hemoglobinas sintéticas (HBOCs) ou perfluoroquímicos (PFCs) são proteínas purificadas ou químicos com a capacidade de transportar oxigénio.

Os transportadores artificiais de oxigénio são usados para efeitos terapêuticos em emergências quando sangue humano não se encontra disponível, quando o risco de infecção do sangue é elevado ou quando não há possibilidade de verificar se o sangue do dador é compatível com o do receptor. No entanto, a sua utilização inadequada para efeitos de dopagem acarreta o risco de doenças cardiovasculares, bem como outros efeitos secundários graves (ex. apoplexia, enfarte do miocárdio, embolias).


Os transportadores artificiais de oxigénio podem ser detectados?

Sim, os testes foram iniciados em 2004.

Quais são os diferentes tipos de transfusão sanguínea utilizados para dopagem?

Existem duas formas de dopagem sanguínea: autóloga e homóloga.

Dopagem sanguínea autóloga é uma transfusão do próprio sangue, que haja sido previamente armazenado (refrigerado ou congelado) até ao seu uso.

Dopagem sanguínea homóloga é uma transfusão de sangue que foi retirado de uma outra pessoa com o mesmo grupo sanguíneo.

Embora o uso da transfusão de sangue para dopagem se verifique já há várias décadas, actualmente volta a verificar-se com maior frequência devido à introdução dos métodos de detecção de EPO a partir de 2000.


Quais são as formas de transfusão de sangue que podem ser detectadas?

O teste para a detecção da transfusão de sangue homóloga foi implementado pela primeira vez nos Jogos Olímpicos de Atenas, em 2004.

A AMA financia projectos tendentes a desenvolver um teste que permita detectar a transfusão de sangue autóloga.


Quais são os efeitos secundários da dopagem através da transfusão sanguínea?

Tal como as outras formas de dopagem sanguínea, as transfusões têm sérias consequências médicas. O sangue de terceiros pode conter vírus (sida ou hepatites B e C) que sejam involuntariamente transmitidos durante a transfusão. Se o atleta recorre ao seu próprio sangue, tal pode acarretar sérios riscos para a saúde, se o procedimento não for executado correctamente ou se o sangue não tiver sido armazenado correctamente. Para além disso, um nível anormalmente elevado de glóbulos vermelhos aumenta o risco de ataque cardíaco, apoplexia e embolismo cerebral ou pulmonar.

 

CONTROLOS DE DOPAGEM NO FUTEBOL

Como são seleccionados os jogos de futebol em que são realizados controlos de dopagem?

Para a selecção dos jogos em que são realizados controlos de dopagem a ADoP recorre a um programa informático denominado de PISCO – Programa Informático de Sorteio de Controlos de Dopagem. Neste programa são introduzidos antes do início de cada época os calendários dos jogos das principais modalidades colectivas. Todas as semanas são realizados sorteios recorrendo-se a esta aplicação, sorteios esses em que a confidencialidade dos controlos a realizar é assegurada pelo facto de o operador do sistema não ter conhecimento de quais os jogos que são sorteados. O sistema PISCO produz, para cada acção de controlo de dopagem, um envelope fechado contendo a identificação do jogo onde irão ser realizados controlos.
 
No caso do futebol, na Liga Zon Sagres são realizadas no mínimo duas acções de controlo de dopagem em cada jornada, recorrendo-se ao sistema PISCO.
 
No caso da Liga Orangina, é realizada no mínimo uma acção de controlo de dopagem por jornada, recorrendo-se também ao sistema PISCO.
 
Nas divisões secundárias, são também realizadas em cada jornada algumas acções de controlo de dopagem, sendo também os jogos designados aleatoriamente, recorrendo-se ao mesmo sistema.