Imagem de Topo

 

Museu Nacional do Desporto

 

 Exposição O LAWN TENNIS EM PORTUGAL

 

Raquetas, bolas, equipamentos, fotografias, folhetos turísticos, postais ilustrados, publicações, curiosidades e documentos vários ilustram a história do ténis em Portugal desde finais do século XIX até fim dos anos 60.
Existiu, desde sempre, uma separação rigorosa entre o circuito amador e o profissional. A década de 60 marcaria uma nova era.
Crescentes pressões comerciais fizeram com que, a partir de 1968, os torneios passassem a estar abertos a todos. Foi o começo da era ”open” ou de um profissionalismo assumido.
A exposição está organizada em núcleos temáticos, que são simultaneamente cronológicos. Paralelamente à história do ténis em Portugal, mostra-se a evolução dos equipamentos (raquetas, bolas, prensas) e outros objetos associados a determinadas épocas.
Um pequeno núcleo trata da evolução do Traje:
Depois de uma Belle Epoque (1895-1914) de roupas bonitas e luxuosas para uma elite de ricos e socialmente privilegiados, o vestuário tornou-se mais simples e as diferenças entre as classes sociais menos visíveis. No ténis, foi o traje feminino que beneficiou deste novo estilo de vida.
Norberto Santos
Ingressou no jornal "Record" em 1993, onde foi editor das modalidades, passando em 2003 a redator principal. Trabalhou em outros jornais, nomeadamente "O Mundo Desportivo", "A Bola" e "Expresso".
Tornou-se especializado em atletismo e ténis e em assuntos ligados ao movimento olímpico. Desde o final dos anos 70 tem colaborado em várias revistas e publicações: "Revista Atletismo", "Jornal do Ténis", "Ténis Europeu", "Mundo do Ténis", "Ténis Portugal" e "Ténis Magazine". Cobriu vários acontecimentos relevantes como Campeonatos do Mundo e da Europa de Atletismo ao longo de três décadas, assim como quatro edições dos Jogos Olímpicos. Foi distinguido pelo Comité Olímpico de Portugal com o prémio de "Melhor Reportagem", em 2003.
Em 2012 recebeu o prémio "Personalidade do Ano", ligado à imprensa, na Gala da Confederação de Desporto de Portugal por proposta da Federação Portuguesa de Ténis.
O gosto pelo colecionismo vem desde a juventude e o envolvimento como jornalista proporcionou conhecer outros mundos na área das coleções. Os trabalhos que vem efetuando têm servido para preencher uma lacuna, tentando dar sequência de uma forma mais organizada e sistematizada a pioneiros como Vasco Galvão. O sonho é fazer um livro sobre a História do Ténis em Portugal.

 

 

 

  

Exposição temporária (04/10/2014):

JAMOR O PALCO MAIOR DO DESPORTO EM PORTUGAL

 

Conheça a história do Estádio Nacional

Prometido em 1933, e inaugurado em 1944, o Estádio Nacional comemora 70 anos de existência.

O Estádio do Jamor é reconhecido como património arquitetónico e paisagístico. Na sua génese, é contado entre as obras públicas do Estado Novo; obra de Francisco Caldeira Cabral e Miguel Jacobetty, entre outros.

Constituindo a primeira infra-estrutura desportiva nacional e de grande dimensão no país, o Estádio Nacional é um património do desporto. Faz parte integrante da história do desporto em Portugal. Ao longo de sete décadas refletiu a mudança das políticas desportivas e a evolução do desporto. Lugar de memória para os atletas que por aí passaram, treinaram, participaram, ganharam ou perderam, e também lugar de pertença do espectador apaixonado e do desportista informal.

Esta exposição do Museu Nacional do Desporto apenas retrata e recorda uma pequena parte da rica história e memória deste património nacional que é o Estádio no Jamor.