Imagem de Topo


DESENVOLVIMENTO E OPERACIONALIZAÇÃO


A construção do Programa Nacional de Formação de Treinadores (PNFT) assume um modelo misto de partilha de responsabilidades, no qual intervêm de forma articulada o Instituto Português do Desporto e Juventude, I.P. (IPDJ I.P.) e as diferentes federações desportivas a quem foi atribuído o estatuto de Utilidade Pública Desportiva (UPD) e as entidades que venham a ser reconhecidas pelo IPDJ, IP como representantes e reguladoras de modalidades desportivas não abrangidas pelas primeiras.

A aplicação do quadro legal definido para esta matéria, bem como a necessidade de se adequar as particularidades das modalidades/disciplinas/vias/estilos ao modelo que sustenta o PNFT, levou à realização do conjunto de tarefas a seguir discriminadas.


ETAPAS DE DESENVOLVIMENTO DO PRATICANTE

As Etapas de Desenvolvimento dos Praticantes são um elemento importante para a definição das competências dos treinadores que vão dirigir a preparação dos atletas nesses diferentes momentos.

Para além disso, a própria legislação (artigo 15.º da Lei n.º 40/2012, de 28 de agosto) determina a necessidade de, em cada modalidade, haver uma relação entre os graus do percurso de formação do treinador e as etapas de desenvolvimento dos seus praticantes.

Como tal, em cada modalidade e para cada disciplina e forma de prática, torna-se indispensável definir as etapas a seguir no desenvolvimento/formação dos seus praticantes. Para facilitar a realização deste trabalho, o IPDJ,IP elaborou um quadro de referência para a produção deste trabalho nas modalidades, a que deu o nome de Caracterização das Etapas de Desenvolvimento dos Praticantes.


CORRESPONDÊNCIA ENTRE AS EDP E OS GRAUS DE TÍTULO PROFISSIONAL DE TREINADOR/A DE DESPORTO

O cumprimento do que a lei determina obriga as federações a incluírem nos seus regulamentos, depois de validada pelo IPDJ,IP, a correspondência entre Etapas de Desenvolvimento dos Praticantes desportivos (EDP) e os diferentes graus de formação de Treinador que a Modalidade/Disciplina/Estilo vier a utilizar.

Para o melhor cumprimento desta tarefa o IPDJ, IP elaborou um documento (Correspondência entre as Etapas de Desenvolvimento do Praticante e os Graus de Formação de Treinador), com um conjunto de orientações para a realização desta tarefa por parte das federações desportivas.


ELABORAÇÃO DOS REFERENCIAIS E CONTÉUDOS DA FORMAÇÃO GERAL E ESPECÍFICA

Os referenciais de formação constituem o eixo curricular de referência dos diferentes cursos, servindo, ao mesmo tempo, de ponto de partida para a elaboração dos conteúdos respetivos.

A elaboração dos referenciais e conteúdos de Formação Geral foi atribuída a um grupo de especialistas nas respetivas matérias e seguiu um conjunto de normas previamente estabelecidas pelo IPDJ, IP (Ficha Modelo dos Referenciais de Formação Geral eElaboração dos Conteúdos da Componente de Formação Geral -Estrutura e Estilo de Redação – Normas).

Relativamente à elaboração dos referenciais e conteúdos da Formação Específica foram também produzidos Idênticos documentos (Ficha Modelo dos Referenciais de Formação Específicae Elaboração dos Conteúdos da Componente de Formação Específica -Estrutura e Estilo de Redação – Normas), cabendo a sua aplicação e controlo às federações desportivas.